sexta-feira, dezembro 05, 2008

Próceres da Grande Síntese I - Girolamo Savonarola

Alphonse van Worden - 1750 AD







No esteio da proposta adrede iniciada n'outro sítio pelo irmão Daher, postarei aqui algumas considerações a propósito do ínclito frade dominicano Girolamo Maria Francesco Matteo Savonarola (1452 - 1498), um dos grandes próceres da teologia messiânica da ação revolucionária.

Desnecessário nos determos nos episódios da acidentada gesta biográfica de fra Girolamo, de sobejo conhecidos por todos os interessados em História medieval e filosofia política; concentremo-nos, pois, em seu significado para uma perspectiva Terza Posizione.

De Savonarola li alguns sermões, textos deveras impressionantes não só em virtude da intensidade flamejante de sua fé, mas também pela beleza rutilante de suas imagens literárias e, claro está, pelo ousado caráter de suas idéias políticas. Com efeito, não seria irrazoável afirmar que Savonarola foi um dos grandes pioneiros da teologia político-messiânica da ação revolucionária, convertendo a fé cristã em arma de libertação do povo contra a tirania dos poderosos, sem no entanto indulgir, tal como a tragicamente equivocada 'Teologia da Libertação', em qualquer hipótese de relaxamento moral e lassidão dos costumes, pois o excelso dominicano propugnava o mais rigoroso ascetismo moral como norma de conduta pessoal e social. Politicamente advogou uma maior participação do povo nas questões de Estado, por intermédio do "Grande Conselho", bem como a adoção d'um regime constitucional de caráter republicano, tudo isto sem no entanto abdicar, o que é de fundamental importância, da crença de que qualquer forma de poder ou organização social tão somente pode ser definida como LEGÍTIMA caso desfrute de lastro teológico.

Seu Trattato circa il Reggimento di Firenze é, se calhar, o que de mais importante escreveu em termos de reflexão política. É uma obra de leitura sumamente interessante, pois transfigura a perspectiva não d'uma teoria abstrata, mas d'um programa político de ação concreta sob a luz da Teologia. Não se trata, é mister salientar, d'um pensamento a predicar a mera instrumentalização política da religião para fins 'operacionais', mas sim d'uma reflexão que emerge do próprio imo da consciência religiosa ou, melhor dizendo, d'um impulso de transformação social que nasce não da razão política, mas dos postulados transcendentes da fé, convertendo a religião em agir político, e não o contrário. Portanto, não se pode, por exemplo, afirmar que Savonarola tenha canalizado politicamente a fé católica para defender seu programa de reformas, ou seja, que tenha feito uso da religião para agir politicamente, mas sim que fez uso da política para atuar religiosamente; e o mesmo poderia ser dito, aliás, a respeito de Khomeini no bojo da Revolução Iraniana, ou de Antônio Conselheiro na Revolta de Canudos, etc.

Enfim, preclaros irmãos d'armas: Savonarola sem dúvida figura em nosso panteão de grandes próceres, e seu legado não pode jamais ser olvidado.

segunda-feira, dezembro 01, 2008

Notas de reflexão crítica XVI - Vladimir Putin: em busca do tempo perdido

Alphonse van Worden - 1750 AD




- Dadas as contradições estruturais (cf. revolução microeletrônica e superveniência crescente do capital especulativo sobre o setor produtivo) do vetor estatista do sistema produtor de mercadorias, que se avolumaram em progressão geométrica a partir dos anos 70 do século passado, China e URSS viram-se diante da inadiável necessidade de reformular suas economias, tendo em vista que suas tendências disfuncionais não paravam de se agravar.

- A República Popular da China, se calhar em virtude da onda de choque, tanto simbólico-institucional quanto político-administrativa, desencadeada pela morte de Mao Zedong em 1976, largou na frente, dando início, já em 1978, a um amplo programa de reestruturação econômica. Desde então, o processo chinês, ainda que com movimentos pendulares de maior ou menor intensidade, tem se caracterizado por um norte estratégico nítido: abertura econômica + manutenção do monopólio do poder político por parte do PCC. Trata-se, portanto, de liberalizar a atividade econômica, de flexibilizar relações trabalhistas e mecanismos de gestão, sem, contudo, renunciar ao controle operacional de todo o processo por parte do mandarinato vermelho. Assim sendo, todas as iniciativas de abertura econômica são estritamente condicionadas pelos desígnios e necessidades estratégicas do Estado chinês; há que frisar, aliás, o sucesso do regime na implementação dessa sutil dialética, pois o Partido não apenas conservou intacto o monopólio do poder, mas logrou fazê-lo ao mesmo tempo em que promove um duradouro ciclo de intensíssimo desenvolvimento econômico capitalista. Ainda que se possa indagar a propósito da viabilidade ulterior de tal dinâmica, ou seja, sobre por quanto tempo mais o PCC, que tão hábil vem se revelando na improvável dialética de, a um só tempo, centralizar o poder político e abrir a economia, conseguirá tão prodigiosa mágica socioeconômica, é mister reconhecer que, até o momento, tudo está ocorrendo conforme o talante do aparato dirigente.

- A URSS, por seu turno, deu início a um processo análogo em 1985, com o advento de Mikhail Gorbachev ao posto de Secretário-Geral do PCUS. A reformulação sistêmica soviética, através das políticas cunhadas por Gorbachev e seu mais notório 'guru', o diplomata Alexander Yakovlev, enveredou por uma perspectiva diametralmente oposta à dinâmica que ocorria no 'Império do Centro': enquanto a arguta liderança chinesa manteve intacta a capacidade operacional do PCC, submetendo a dinâmica de reformas ao imperativo estratégico mais amplo do Estado, Gorbachev tencionou revigorar a URSS por intermédio da liberalização política, afrouxando com isso os dispositivos de controle estatal. Tal iniciativa, com efeito, não apenas falhou miseravelmente em regenerar a combalida economia socialista, mas também mergulhou o país no caos absoluto, desestruturando a sociedade soviética em praticamente todos os níveis e esferas de ação: as vicissitudes no sistema de transportes e distribuição de mercadorias, eterno ponto de estrangulamento no gigantesco País dos Soviets, agravaram-se sobremaneira, elevando estratosfericamente os custos em todos os setores da economia; a agricultura, outro 'calcanhar-de-Aquiles' tradicional na história soviética, também entrou em colapso, desencadeando uma série de crescentes crises de desabastecimento; a indústria, outrossim, que já vinha perdendo competitividade e eficácia desde anos 70, foi sufocada pela vertiginosa espiral inflacionária, bem como pela progressiva desorganização dos mecanismos de gestão; os ressentimentos ancestrais contra a 'Mãe Rússia', arraigados em quase todas as nacionalidades agregadas sob o pavilhão soviético, e que até então se conservavam mais ou menos represados pelo poder central, explodiram com grande violência no bojo da 'redemocratização', abalando os pilares do aparato estatal soviético. Assim sendo, o desenlace de tão ominosa dinâmica, conjugando anarquia econômica e 'liberalização' política caótica e irresponsável, não poderia ter sido outro: em 1991, apenas 5 após sua implementação, a demoníaca obra de destruição levada a cabo por Gorbachev conseguiu, enfim, dissolver a URRS.

- Com o advento da era Yeltsin, em 1991, célere propagou-se a metástase do câncer socioeconômico instaurado por Gorbachev. A ausência de uma gestão veramente democrática no seio do aparato partidário e da máquina estatal, questão que de modo algum foi solucionada pela glasnost, possibilitou a emergência de uma burocracia rapace e parasita; e com o fim da URSS, num contexto de severa deterioração da economia, foi possível constatar a consumação lógica deste processo, uma vez que, com a privatização em massa das empresas estatais, a classe de administradores públicos de imediato converteu-se em empresariado privado, havendo apenas uma transferência jurídico-formal da propriedade. Ao nos debruçarmos, pois, sobre o ciclo de privatização acelerada da economia que se deu com a ascensão de Boris Yeltsin, constataremos que grande parte da antiga burocracia gerencial soviética, tanto em termos de setor industrial quanto de financeiro, converteu-se maciçamente em classe proprietária. A expropriação econômica desencadeou-se portanto como epifenômeno lógico-empírico de um processo de expropriação política que já havia se forjado décadas atrás. O estamento administrativo transformou-se, com efeito, em alta burguesia proprietária; e se examinarmos mais acuradamente o fenômeno em tela, veremos que se trata, na verdade, não de uma metamorfose estrutural, mas sim de uma transferência maciça de titularidade nominal, uma vez que os meios de produção já estavam informalmente sob controle total de uma parcela de burocratas. Constituiu-se, assim, a famigerada casta de poderosos oligarcas intimamente ligados ao Kremlin, levando a efeito toda sorte de operações ilegais (tráfico de ópio através do Mar Negro, inclusive) sob o manto protetor da corrupção que tomou conta da administração pública em todas as esferas. E como se não bastasse, Yeltsin, atuando como infame gendarme a serviço das potências ocidentais, reprimiu duramente o conjunto das forças políticas nacionalistas durante a chamada ‘crise constitucional’ de 1993: sob a audaz liderança do vice-presidente Aleksandr Rutskoy e do deputado Ruslan Khasbulatov, o Soviet Supremo insurgiu-se contra o poder executivo num esforço desesperado para deter o sórdido processo de aniquilação do país capitaneado por Yeltsin, que tragicamente, com a colaboração da corrompida alta cúpula das forças armadas, sufocou o levante e instaurou definitivamente a traição nacional como ideologia vigente.

- É nesse cenário de ‘terra devastada’ que emerge na vida política russa, em meados dos anos 90, a figura de Vladimir Vladimirovich Putin. Vice-prefeito de São Petersburgo na primeira metade da década, diretor da FSB (ex-KGB) entre 1998-99, Putin foi nomeado por Yeltsin primeiro-ministro da Rússia em setembro 1999, vencendo em seguida as eleições presidenciais em 2000. A princípio não nos pareceu, há que salientar, que o ex-tchekist faria uma gestão essencialmente distinta do catastrófico legado de seu antecessor. Açodadamente julgávamos que Putin não teria condições, ou até mesmo vontade política, de empreender um esforço sério e resoluto de soerguimento político-econômico da Rússia, mormente em virtude da correlação de forças desfavorável ao país na esfera geopolítica internacional; não obstante, já em 2001, muito embora cometesse, em termos de política externa, o grave erro de apoiar a intentona imperialista contra o Afeganistão, seu governo emitiria o primeiro sinal positivo de caráter inequívoco: a abertura de processos por corrupção, evasão fiscal, desvio de recursos públicos e outros ilícitos contra os principais elementos da camarilha de oligarcas yeltsinistas, Boris Berezovsky e Mikhail Khodorkovsky, assestando assim um rude golpe nos setores mais entreguistas e antipatrióticos do panorama político russo. Putin também condenaria, nos termos mais acerbos, a invasão do Iraque em 2003, no esteio da implementação, a partir de 2002, de uma política externa mais soberana, agressiva e antiimperialista, em flagrante contraposição à postura gorbachevista / yeltsinista de humilhante submissão aos desígnios do Ocidente. No plano interno, é mister sublinhar que Putin levou a efeito um amplo programa de reorganização e dinamização da economia, aumentando os investimentos estatais tanto em infra-estrutura quanto em setores de tecnologia de ponta, estimulando assim a atividade produtiva de uma maneira geral; no que tange ao bem-estar da população, sua administração tem se empenhado em resgatar a ciclópica dívida social acumulada pelos governos de Gorbachev e Yeltsin, implementando numerosos programas de auxílio a aposentados, desempregados, mães solteiras e demais parcelas da população cruelmente desassistidas nos últimos 15 anos; em termos culturais, por fim, é nítida a adoção de toda uma estratégia de ação governamental no sentido ressuscitar o secular orgulho nacional russo, o que se reflete numa sutil mas emblemática orientação ideológica eslavófila (não por acaso, consoante se pode constatar, figuras de proa da ‘revolução conservadora’ russa, como o ínclito Aleksandr Dugin, por exemplo, adotam uma sagaz atitude de apoio crítico a Putin); há também, outrossim, o intuito de reforçar a presença da fé ortodoxa na vida do país, o que revela, vale dizer, o descortino psicológico de Putin, pois não há como reerguer a Rússia senão através da revitalização de suas matrizes espirituais.

- A eleição, sob os auspícios do presidente Putin, de Dmitri Medvedev em março último, sinaliza, queremos crer, a continuidade do processo adrede esboçado.Que o novo mandatário possa, destarte, dar prosseguimento ao polifônico e ambicioso movimento de reconstrução nacional iniciada por seu mentor, pois É preciso, pois, recuperar o tempo perdido, para que assim a Rússia enfim volte a ocupar plenamente o plano de destaque que lhe cabe no concerto das nações e, acima tudo, fazer com que a sempiterna Rodina reencontre seu destino glorioso e triunfal.

The Fall: You don't have to be strange to be strange!




Das bandas que compõem meu paideuma de excelência sônica, o Fall quiçá seja a de mais árdua decodificação; na ativa desde 1977, e com um catálogo de lançamentos de fazer inveja a Frank Zappa, o grupo de Mr. Smith (único integrante presente em todas as 'trocentas' mil formações da banda) já atravessou toda sorte de metamorfoses estilísticas, do punk abrasivo, caótico e tingido de paranóia industrialista característico de sua primeira e melhor fase entre 1977-1981; passando pelo post punk 'clássico' e incisivo do período intermediário com Brix Smith (1983-1988); acenos de garage rock sessentista em roupagem pós-moderna no primeiro lustro dos anos 90; até uma diluição de certo modo conscientemente paródica de suas matrizes estéticas a partir da metade da década de 90; é deveras complicado, portanto, traçar um perfil preciso da banda, que na verdade é o reflexo / transfiguração artística da personalidade e dos interesses em perpétua metamorfose de seu genial mentor.

Certamente boa parte do fascínio que o Fall exerce, é mister salientar, deve-se ao verdadeiro mito, à figura impagável que é Mark E. Smith. Dono de uma voz de alcance muito restrito, roufenha e um tanto quanto fanhosa, ‘agravada’ por um impenetrável sotaque northern english , Smith consegue de forma absolutamente brilhante reverter a seu favor suas diversas limitações; seu 'canto falado' é extremamente mordaz e desleixado, com uma cadência entediada e cínica, ideal para o assombroso festival de circunvoluções semióticas, labirínticos jogos de palavras, trocadilhos, portmanteau words, alusões políticas, assonâncias e aliterações que permeia suas letras.

O disco (o terceiro dos camaradas), onde o punk rock dadaísta de seus primeiros registros enfim terça vozes de forma definitiva com um hipnótico minimalismo de matriz teutônica, constitui, a meu ver, o ápice de sua trajetória, sintetizando à perfeição o que a banda sabe fazer de melhor. Assim sendo, temos peças memoráveis como Pay Your Rates, a clássica combustão punk de abertura, em compasso de crítica social na melhor tradição anarquista (Debtors' escape estate / Debtors' retreat estate / A no-motivation estate / Debtors' escape estate); New Face in Hell, onde o progressivo estranhamento melódico da canção conjuga-se com soberba precisão ao mergulho no inferno descrito na letra; C 'n' C-S Mithering, um dos mais vitriólicos ataques de Smith contra a indústria da música, emoldurada por tramas circulares de guitarras acústicas e uma atmosfera geral de delírio surreal; Impression of J. Temperance, austera colisão avant punk entre guitarras agônicas e ritmos assimétricos; Gramme Friday, claustrofóbica meditação sobre o cotidiano exasperante (The people I like live in kitchens and halls), onde temos um fascinante exercício de constraste formal entre uma solar batida rockabilly e brumas glaciais de guitarras superpostas, até a inquietante coda de nítido sabor psicodélico; e, por fim, encerrando em grande estilo este discaço, temos a antológica The N.W.R.A, imperturbavelmente desdobrando-se como ominosa hipnose motorik em mutação genética velvetiana, corrosiva epopéia político-existencial a refletir uma das maiores obsessões de Smith: a decadência socioeconômica do Norte da Inglaterra a partir da segunda metade do século XX, agravada sobremaneira pelo thatcherismo, e cujas possibilidades de regeneração nosso herói encara com amargo ceticismo (I'm Joe Totale / The yet unborn son / The North will rise again / Not in 10,000 years / Too many people cower to criminals / And government crap).

Aliás, em merecido louvor a um dos mais inteligentes e originais poetas em toda a história do rock'n'roll, postarei aqui as 2 melhores letras do ábum, que a meu juízo sintetizam as grandes linhas de força da lírica 'smithiana': 1) as alusões políticas anárquicas, 2) o irônico niilismo existencial e 3) os labirintos semânticos.

The N.W.R.A.

When it happened we walked through all the estates, from Manchester right to, er, Newcastle. In Darlington, helped a large man on his own chase off some kids who were chucking bricks and stuff through his flat window. She had a way with people like that. Thanked us and we moved on.

'Junior Choice' played one morning. The song was 'English Scheme.' Mine. They'd changed it with a grand piano and turned it into a love song. How they did it I don't know. DJs had
worsened since the rising. Elaborating on nothing in praise of the track with words they could hardly pronounce, in telephone voices.

I was mad, and laughed at the same time. The West German government had brought over large yellow trains on Teeside docks. In Edinburgh. I stayed on my own for a few days, wandering about in the, er, pissing rain, before the Queen Mother hit town.

I'm Joe Totale
The yet unborn son
The North will rise again
The North will rise again
Not in 10,000 years
Too many people cower to criminals
And government crap
The estates stick up like stacks
The North will rise again X4
Look where you are
Look where you are
The future death of my father

Shift!

Tony was a business friend
Of RT XVII
And was an opportunist man
Come, come hear my story
How he set out to corrupt and destroy
This future Rising

The business friend came round today
With teeth clenched, he grabbed my neck
I threw him to the ground
His blue shirt stained red
The north will rise again.
He said you are mistaken, friend
I kicked him out of the home

Too many people cower to criminals
And that government pap
When all it takes is hard slap

But out the window burned the roads
There were men with bees on sticks
The fall had made them sick
A man with butterflies on his face
His brother threw acid in his face
His tatoos were screwed
The streets of Soho did reverberate
With drunken Highland men
Revenge for Culloden dead
The North had rose again
But it would turn out wrong

The North will rise again


So R. Totale dwells underground
Away from sickly grind
With ostrich head-dress
Face a mess, covered in feathers
Orange-red with blue-black lines
That draped down to his chest
Body are a tentacle mess
And light blue plant-heads
TV showed Sam Chippendale
Oh, no conception of what he'd made
The Arndale had been razed
Shop staff knocked off their ladders
Security guards hung from moving escalators

And now that is said
Tony seized the control
He built his base in Edinburgh
Had on his hotel wall
A hooded friar on a tractor
He took a bluey and he called Totale
Who said, "the North has rose again"
But it will turn out wrong

When I was in cabaret
I vowed to defend
All of the English clergy
Though they have done wrong
And the fall has begun
This has got out of hand
I will go for foreign aid
But he Tony, laughed down the phone
Said "Totale go back to bed"
The North has rose today
And you can stuff your aid!
And you can stuff your aid!

_____


Pay Your Rates

Pay your rates
Pay your water rates
Pay your rates
Pay your water rates

If your rates too high
Write a snotty letter
If your rates too high
Put your life on this bit of paper

Advice on rates
Advice on rates

Pay your rates
Pay your water rates
Pay your rates
Pay your water rates

If your rates too high
You'd better sign this letter
If you don't pay your rates
You're gonna end up here

Or end up on debtors' retreat estate
Or debtors' retreat escape
Debtors' escape estate

Debtors' escape
Debtors' retreat escape
Debtors' retreat estate
Neuroticred landscape
A socialist state invention
The old government bones working

[Legendary Chaos tape:
Let's hear it for the working class traitors
Hello Warren Mitchell]

Debtors' escape estate
Debtors' retreat estate
A no-motivation estate
Debtors' escape estate

Pay the borough
Pay the borough
Pay your rates
Pay pretty sharp
Pay the borough
Pay the borough
Pay the borough

Pay your rates
Pay your water rates
Pay your rates
Pay your rates!

Enfim, meus filhos: divirtam-se com o peculiaríssimo universo do Fall; e como diria mestre Smith, You don't have to be strange to be strange / You don't have to be weird to be weird...






Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

sábado, novembro 01, 2008

Apontamentos sobre a filosofia britânica II - investigações sobre lógica indutiva em John Stuart Mill

Alphonse van Worden - 1750 AD






A relevância de A System of Logic: Ratiocinative and Inductive (1843), obra do filósofo inglês John Stuart Mill (1806-1873) deve-se, em grande parte, à sua acurada análise da prova ou evidência indutiva. Através da supracitada análise, Mill tenciona fornecer às ciências empíricas um conjunto de fórmulas e critérios consistentes, isto é, um método rigoroso de justificação dos processos indutivos, que estão inequivocamente inseridos, como já vimos, nos alicerces dos enunciados científicos. Nesse sentido, vale dizer, suas investigações adquirem, além de seu evidente caráter lógico, um significativo contorno epistemológico, bem como, em diversos aspectos, elementos para a formulação de uma teoria do conhecimento.

Mill apresenta cinco métodos para a formulação de inferências indutivas: o método do 1) assentimento, o da 2) diferença, o 3) método conjunto de assentimento e diferença, o de 4) resíduos e o das 5) variações concomitantes. O princípio comum aos cinco métodos e que acaba por ser, em si mesmo, o método par excellence dedicado à investigação cientifica, é o da eliminação. Dentre os cinco métodos propostos, portanto, por Mill, constatamos que da diferença assume um papel preponderante.

Todavia, é tão somente nos casos mais simples de conexão causal que podemos aplicar tais métodos diretos de observação e experimentação. Nos casos mais complexos, faz-se mister a aplicação do 'método dedutivo', o qual é composto, segundo Mill, por três operações: 1) indução, 2) raciocínio ou dedução e 3) verificação:

É ao método dedutivo, assim definido em suas três partes constituintes - a indução, o raciocínio e a verificação -, que a mente do homem deve seus mais destacados triunfos na investigação da natureza. Nós lhe devemos todas as teorias que reúnem fenômenos numerosos e complicados sob algumas leis simples, que, consideradas como leis desses fenômenos, não teriam jamais podido ser descobertas pelo estudo direto (...).

Deduzimos a 'lei' ou 'causa' de um efeito complexo a partir de um conjunto de causas simples, conjunto esse cuja ocorrência dá ensejo ao aparecimento de uma 'causa complexa'. Vejamos o seguinte exemplo:

Não pode, quando as ciências naturais alcançaram certo desenvolvimento, haver dúvida quanto às leis de que dependem os fenômenos da vida, já que devem ser as leis mecânicas e químicas das substâncias sólidas e fluidas, que constituem os corpos organizados, do meio no qual elas subsistem e, conjuntamente, as leis vitais particulares dos diferentes tecidos componentes da estrutura orgânica.

As leis de ‘que dependem os fenômenos da vida’, entretanto, devem ser, em primeiro lugar, constatadas através da observação baseada em inferências indutivas diretas, e apenas então finalmente verificadas em comparação com os fatos constituintes do fenômeno que estiver sendo investigado. Desse modo, podemos concluir que o processo está inequivocamente alicerçado na indução.

A validade do processo indutivo como um todo é, segundo Mill, claramente dependente da pertinência do pressuposto que lhe é adjacente: a lei da 'causalidade necessária' dos fenômenos da natureza. Assumindo, pois, que todo fenômeno natural tem uma causa ou antecedente invariável e incondicional, Mill irá investigar o problema da causalidade mais detidamente. A primeira questão a ser formulada é a seguinte: o pressuposto fundamental, que acima mencionamos, é em si mesmo válido? Mill não pode garantir, salientemos, que a lei da 'causalidade universal' é uma intuição da razão ou um princípio transcendental a priori. Para o filósofo inglês, a única afirmação que podemos fazer é a seguinte:

A crença que depositamos na universalidade, em toda a natureza, na lei da causa e efeito, é em si mesma, um exemplo de indução (...) Chegamos a essa lei universal pela generalização de muitas leis de generalidade inferior. Não poderíamos ter a noção da causalidade (no sentido filosófico do termo) como condição de todos os fenômenos, a não ser que muitos casos de causalidade, ou, em outras palavras, muitas regularidades seqüenciais parciais, tenham anteriormente se tornado familiares. As mais óbvias das uniformidades particulares sugerem, e são testemunhas, da uniformidade geral, que uma vez estabelecida, nos permite comprovar o restante das uniformidades particulares das quais é feita.

Estas induções iniciais, que em conjunto resultaram na lei da 'causalidade universal', não podem pertencer ao mesmo tipo de induções rigorosas que estão em concordância com os cânones da indução científica, e que pressupõem a lei da causalidade universal; pertencem, nos diz Mill, a um modo de indução impreciso, o da 'enumeração simples'. Como poderia ser possível, dessa maneira, conferir validade a um processo cujas bases estão assentadas em inferências indutivas imprecisas? Mill irá argumentar que a indução por 'enumeração simples', em outras palavras, a generalização de um fato observado pela simples ausência de qualquer instância contrária, contrastada com a indução crítica da ciência, afigura-se como um processo válido, mesmo que falível. Tal expediente, contudo, assevera o filósofo inglês, deve necessariamente preceder as formas menos falíveis do processo indutivo, atalhando ainda que a precariedade do método de 'enumeração simples' está na razão inversa da amplitude da generalização obtida:

À medida que a esfera se alarga, esse método não-científico torna-se menos e menos capaz de nos induzir ao erro; e a mais universal classe das verdades, a lei da causalidade, por exemplo, e os princípios do número e da geometria, são satisfatória e obrigatoriamente comprovados somente por esse método, e não são suscetíveis a qualquer outra prova.

Mill assevera (tese que, devemos salientar, constitui um dos elementos fulcrais de seu sistema) que a universalidade da lei da causalidade, sendo uma indução de nossa experiência, não se aplica a circunstâncias que desconhecemos, ou que estejam além do âmbito de nossa experiência:

Em partes distantes das regiões estelares, onde os fenômenos podem ser inteiramente diferentes daqueles que nos são familiares, seria loucura afirmar confiantemente que essa lei geral prevalece, tanto quanto aquelas especiais que constatamos serem universais em nosso planeta. A uniformidade na sucessão de eventos, também chamada de lei da causalidade, deve ser recebida não como uma lei do universo, mas como da parte dele que está dentro das nossas possibilidades de observação segura, com um grau razoável de extensão a causas adjacentes. Estender isso mais além é fazer suposição sem comprovação, e na ausência de qualquer terreno experimentado para poder estimar seu grau de probabilidade, seria ocioso
tentar atribuir-lhe qualquer comprovação.

O aparente paradoxo que emerge ao considerarmos que a o princípio da causalidade é, ao mesmo tempo, pressuposto e resultado da indução, é passível de explicação, segundo Mill, ao levarmos em consideração a teoria tradicional das inferências lógicas, que encara a premissa maior num raciocínio como a prova real de verdades particulares que, forçosamente, dela derivam. O filósofo inglês argumenta que premissa maior não é prova da conclusão obtida num silogismo, mas é ela mesma comprovada, juntamente com a conclusão, pela mesma evidência indutiva. A silogística tradicional envolveria, portanto, uma petitio principii, uma vez que a conclusão já está contida na premissa maior: ao sabermos que 'todos os homens são mortais', sabemos, e não necessitamos de nenhuma prova, que 'Sócrates é mortal'. Nenhum raciocínio que proceda do 'geral' para o 'particular' pode, como tal, provar coisa alguma, pois de um princípio geral não podemos inferir um particular, mas somente aqueles casos que o princípio geral em si já assume em sua própria formulação. Na verdade, afirma Mill, a premissa maior de um silogismo é apenas um registro de induções anteriores, bem como uma breve fórmula breve para continuarmos a induzir:

A conclusão não é uma inferência extraída da fórmula, mas uma inferência expressada de acordo com a fórmula; sendo que o verdadeiro antecedente lógico, ou premissa, são os
fatos particulares que levaram, por indução, à inferência da proposição geral.

A premissa maior se afigura apenas como uma espécie de nota taquigráfica, com o fito de auxiliar nossa memória: a inferência está, pois, completa quando asseveramos que 'todos os homens são mortais'; o que resta a ser feito depois é apenas “a decifração de nossas próprias anotações” (Livro II, Cap. III, Seção 4).

Toda inferência caminha, assim sendo, do 'particular' para o 'particular': o processo silogístico é apenas um desdobramento de nosso registro de inferências indutivas anteriores:

Se tivéssemos memória com grande capacidade de armazenamento, e habilidade suficiente para ordenar a imensa quantidade de detalhes, o raciocinamento poderia continuar sem proposições gerais; são somente fórmulas para inferir o particular do particular.

O raciocínio silogístico nada mais é, por conseguinte, que um modo circular de chegar a uma conclusão que poderia ter sido alcançada diretamente, do mesmo modo que, exemplifica Mill, ao invés de caminharmos por uma estrada plana, tivéssemos chegado ao mesmo lugar subindo e descendo uma colina. Não há razão que nos obrigue a usar a estrada íngreme a priori, exceto o fiat arbitrário dos lógicos: “Podemos não somente raciocinar do particular para o particular sem passar pelo geral, como o fazemos constantemente. Todas as nossas inferências mais antigas são de tal natureza” (Livro II, Cap. III, Seção3).

Mill reconhece, no entanto, “a imensa vantagem, no que se refere à segurança da correção, que se obtém interpondo essa etapa entre a evidência real e a conclusão” (Livro II, Cap. III, Seção 6). Quando dizemos que Sócrates é mortal porque é um homem, e que todos os homens são mortais, estamos constatando que por ele se parecer com outros indivíduos nos atributos sugeridos pelo conceito 'homem', ele também se assemelhará a eles no atributo 'mortalidade'. “Se, dos atributos que Sócrates tem em comum com os homens que até aqui morreram, é permitido inferir que ele se assemelha a eles também em ser mortal, isso é uma questão de Indução” (Livro II, Cap. III, seção 7), assinala Mill, reafirmando o primado da indução nos processos silogísticos. A premissa maior é o 'registro', o 'lembrete' de que fizemos essa indução, uma inferência indutiva que doravante deveremos sempre aplicar em qualquer caso particular a ela referente que nos seja apresentado.

Notas de reflexão crítica XV - a propósito do caráter subjetivo dos juízos de valor





- Não existem, nunca existiram e tampouco existirão quaisquer parâmetros OBJETIVOS, isto é, lógico-demonstrativos ou verdadeiros por definição, tal como as tautologias da razão pura, para o balizamento crítico do fenômeno estético. Critérios como 'afinação', 'técnica' e outros ainda mais imprecisos e etéreos como 'criatividade', 'inovação', etc. não possuem, jamais possuíram ou virão a possuir qualquer valor de demonstração objetiva, uma vez que não envolvem relações intrinsecamente necessárias, cujo sentido permanece o mesmo sob diferentes arranjos de palavras ou símbolos; são pois critérios mormente históricos, eminentemente variáveis e cambiantes, e que fatalmente irão expressar valores conflitantes ao longo do tempo.

- Isto posto, uma obra de arte tão somente pode ser avaliada em função de nossa subjetividade e não em função de sua pretensa importância 'histórica' ou de qualquer código de valores técnicos, éticos, políticos ou comportamentais pretensamente 'objetivos'. Em termos puramente objetivos, portanto, qualquer Tiririca tem o mesmo valor de Bach, assim como um pintor de feira hippie o mesmo valor de Velásquez: a atribuição de um valor menor ou maior a cada um deles é e sempre será uma função de nossa subjetividade, a despeito de critérios pseudo-objetivos como 'importância histórica', 'técnica', 'criatividade' e que tais.

- Não obstante, as pessoas querem porque querem que suas preferências tenham um valor OBJETIVO capaz de distinguir-lhes como 'superiores', o que constitui uma vã e impossível pretensão.

- Destarte, reitero a pergunta feita por certo professor de estética a um atoleimado discente que insistia na existência de parâmetros objetivos de avaliação estética: "em que Bach é objetivamente superior a Tiririca"? Decerto em 'complexidade', 'refinamento', 'importância histórica', 'criatividade', 'sofisticação técnica', etc,; não obstante, Tiririca é mais 'engraçado' e 'alegre'. Muito bem: por que cargas d'água critérios tais como 'complexidade', 'refinamento', 'importância histórica', 'criatividade', 'sofisticação técnica' seriam mais 'objetivos' que 'graça' e alegria', ou então axiologicamente superiores? Com efeito, a importância que eventualmente atribuiremos a cada um deles fatalmente será de ordem subjetiva. Isto não significa, claro está, que não possamos levar a cabo taxonomias e escalas de comparação, desde que tenhamos plena consciência do caráter inelutavelmente SUBJETIVO que as consubstancia.

- Repetindo: todo e qualquer juízo estético é inelutavelmente, por sua própria estrutura intrínseca de formulação, um juízo de valor e, como tal, de natureza mormente subjetiva; não há portanto nenhum elemento essencialmente OBJETIVO quer permita estabelecer que um determinado ato estético é 'melhor' do que outro. Isto posto, não há como estabelecer uma hierarquia de preferências estéticas, de modo que gostar de Yes, Marilion, Univers Zero, Menudo, Schönberg ou Nélson Ned possui exatamente o mesmo valor objetivo: ZERO. Quaisquer parâmetros que possam ser elencados - consenso histórico, 'técnica', etc - estão embutidos por elementos subjetivos, que determinam inclusive sua posição mais ou menos relevante no quadro valorativo.



Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

quinta-feira, outubro 02, 2008

"You look just like an Elvis from HELL!"




Celebrando o ethos libertário e catártico que deveria estar sempre presente no rock'n'roll, não apenas enquanto perspectiva estética mas também como horizonte existencial, tenciono desta feita vos falar dos norte-americanos do Gun Club.

Quando estava elaborando meu Top 10 de álbuns do punk rock, fiquei em dúvida sobre incluir ou não a fulgurante e inolvidável obra-prima do Gun Club; é todavia um disco que vai além dos parâmetros estéticos do punk, malgrado esteja de certo modo historicamente enraizado no hardcore norte-americano. Fire of Love, que certamente assumiria o primeiro posto da supracitada lista caso estivesse nela presente, é pois, a meu ver, simplesmente um dos 10 melhores álbuns de toda a história do rock.

Lançado em 1981, Fire of Love nutre-se do delta blues do ‘coração das trevas’ sulista, do country’n’western de Hawk Williams e do psychobilly dos Cramps para explodir no nascente hardcore em luciferina, sulfúrica e absolutamente apaixonante 'summa theologica' de toda a história do rock’n’roll; é sobretudo o fruto mais consumado do errático mas imenso talento de Mr. Jeffrey Lee Pierce, bardo etílico / poeta marginal / junkie rocker texano que radicou-se em LA no final dos anos 70. Sem dúvida também contribuiu para o estupendo resultado final o facto de Pierce ter tido à sua disposição o melhor line up em toda a trajetória do Gun Club: a ‘cozinha’ sólida e precisa a cargo de Rob Ritter (baixo) e Terry Graham (bateria) lastreando o uivo seco, feroz e hipnótico do par de guitarras ‘limpa trilhos’ de Ward Dotson e Pierce, com nosso Elvis from Hell emoldurando a massa sonora com sua voz passional e imperativa; para arrematar com chave de ouro, as magníficas letras do mestre, cronista da alma humana da augusta estirpe de um Robert Johnson ou Son House, urdindo atormentadas narrativas de morte, horror, danação eterna, sexo e amor desesperado. E assim temos memoráveis temas originais como Sex Beat, She’s Like Heroin, Fire Spirit (trinca de ases onde as águas barrentas do country blues encontram o asfalto punk de LA em combustão espontânea); For The Love of Ivy (malevolente épico gothabilly composto por um Pierce endemoniado em parceria com Kid Congo Powers - da formação original dos Cramps - em homenagem à sua ex-parceira de banda e mítica musa underground Poison Ivy); Ghost on the Highway, Black Train, Goodbye Johnny (magníficos exemplos de intoxicante alquimia country/hardcore); bem como estraçalhantes releituras para dois clássicos do blues (Preaching The Blues – Robert Johnson e Cool Drink Of Water - Tommy Johnson)

Infelizmente a banda jamais conseguiria repetir o mesmo diapasão maníaco e perfeito de sua estréia; problemático e doidão, Jeff Pierce bebia /cheirava/injetava todas, de modo que a trajetória ulterior de seu ‘Clube de Tiro’ oscilou entre sucessos parciais (The Las Vegas Story, The Birth the Death the Ghost, Mother Juno) e melancólicos equívocos (Miami, Pastoral Hide & Seek, Lucky Jim). Uma pena: houvesse gravado mais um ou dois monumentos como Fire of Love, o Gun Club certamente seria uma das 10 ou até mesmo 5 melhores bandas de todos os tempos! Ainda assim, contudo, deixaram sua assinatura em letras de ouro no ‘Grande Livro do Rock’ com um dos discos mais brilhantes e inesquecíveis da história do gênero.

______

Em tempo I: Jeffrey Lee Pierce morreu em 1996, e esta resenha é uma modesta mas sincera homenagem a ele: aonde quer que estejas, keep on rocking, Jeff!!!

Em tempo II: Pierce foi um dos grandes letristas de sua geração, sempre destilando suas peculiares obsessões; na letra que postarei a seguir, o clima é de danação eterna em psicose redneck nos confins do Deep South:

For The Love Of Ivy

You look just like an Elvis from HELL
My heart is broken, so I'm going to HELL
bury me way down deep in HELL
I'm a steel drivin' man, I want to go to HELL!

then go tell Ivy oh-oh!
for the love of Ivy yeah-yeah!
I did it for Ivy oh-oh!

you're the one

Gonna buy me a graveyard of my own
kill everyone who ever done me wrong
gonna buy me a gun just as long as my arm
kill everyone who ever done me harm

then go tell Ivy oh-oh!
for the love of Ivy yeah-heah!
I did it for Ivy oh-oh!

you're the one

Well, jawbone eat and jawbone talk
jawbone eat you with a knife and fork
I was hunting for niggers down in the dark
when suddenly I got a better thought

let's go hunt Ivy, oh-oh!
let's go get Ivy, Yeah-yeah!
for the love of Ivy, oh-oh!

you're the one.

I did it for Ivy
I did it for Ivy
HA HA HA! Ivy!

I was all dressed up like Elvis from HELL! HELL!





_____

Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

terça-feira, setembro 02, 2008

Notas de reflexão crítica XIV - a propósito de filmes 'b', trash e underground



Amiúde podemos perceber, tanto nos meios de comunicação quanto entre os fãs, certa confusão conceitual entre as noções de filme 'b' , filme trash e filme underground; malgrado exista alguma similaridade estética entre esses três 'gêneros' e, num estágio ulterior (mormente a partir dos anos 70), certa convergência de propósitos, há originalmente uma nítida distinção conceitual entre vertentes em tela, sobretudo na esfera da intencionalidade.

Isto posto, gostaria de esboçar uma discussão a propósito de tais categorias tomando por base os 5 filmes que mais aprecio nesses gêneros:


Freaks (1932) - Tod Browning

Cat People (1942) - Jacques Tourneur

Mondo Trasho (1969) - John Waters

El Topo (1970) - Alejandro Jodorowsky

La Rouge aux Lévres (1971) - Harry Kümel


O filme 'b' se caracteriza, a princípio, como obra cinematográfica produzida nos marcos da indústria, não raro dirigida e / ou interpretada por profissionais de prestígio, com o intuito de atingir, assim como qualquer outra fita 'normal', o grande público, mas que em virtude de alguma contingência desventurada (valores de produção precários; temática polêmica; conflitos com o estúdio, etc.), acabava por ser relegada a circuitos secundários de divulgação e / ou exibição (cadeias de cinema regionais, salas suburbanas, etc.).

Destarte, dos filmes que citei à partida, tão somente Cat People e Freaks podem ser classificados como filmes 'b' strictu senso: ambos são dirigidos por cineastas com currículo prévio de sucessos (Tod Browning e Jacques Tourneur); contam com atores de renome à época (Wallace Ford, Olga Baclanova, Simone Simon: e até mesmo valores de produção bastante razoáveis para o período em que foram filmados. Todavia, a presença de elementos temáticos polêmicos e potencialmente escandalosos (bestialismo, zoofilia, fetichismo em Cat People / aberrações físicas e doenças mentais em Freaks) impediram que tais obras lograssem alcançar, no contexto sociocultural em que foram lançadas, o grande público.

Os filmes trash, por seu turno, são um fenômeno estético de caracterização sobremaneira mais difusa e problemática: a rigor, poderiam ser definidos como fitas de caráter deliberadamente 'rústico', 'precário', quase sempre com temáticas sensacionalistas, escatológicas ou fantasiosas, cujo talante primordial era atingir o público de áreas com menor acesso a bens culturais e, num momento ulterior, um público jovem e / ou alternativo, que encara tais obras como uma espécie de desconstrução paródica dos convencionalismos estéticos e conceituais do cinema mainstream.

O principal problema embutido na formulação de um conceito unívoco para o filme trash é o facto que ele via de regra se confunde com o que poderíamos chamar de cinema underground, isto é, um cinema também de cunho provocativo e subversivo, mas que almeja atingir certo nível de excelência artística, e que se propõe não como mero entretenimento, mas sim como obra experimental, de vanguarda.

Assim sendo, uma fita como Mondo Trasho, malgrado formalmente trash, apresenta um caráter de agressão e ultraje que não de modo algum meramente 'inocente' ou 'divertido', envolvendo, pelo contrário, um decisivo cariz de virulenta crítica social; por fim, El Topo e La Rouge Aux Lévres são filmes nitidamente inseridos no ethos conceitual e artístico underground, visto que sua eventual precariedade formal (mais evidente no filme de Jodorowski, há que sublinhar) não se deve de forma algum a um propósito de comicidade paródica, mas sim os problemas de produção inerentes a propostas artísticas que fogem aos parâmetros conservadores do mainstream cinematográfico.

Bem, espero ter contribuído para precisar um pouco a questão!




_____

Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

Que pensadores políticos mais vos influenciaram?

Alphonse van Worden - 1750 AD






À exemplo de tópico anterior, quando vos indaguei a propósito de vossos modelos de conduta intelectual,perguntos-vos desta feita, ó ínclitos confrades, os pensadores que apontaríeis como determinantes em vossa formação política.

Eis os meus:


José Carlos Mariátegui

É de longe o pensador político que mais me influenciou, ao demonstrar que a Revolução não é um fenômeno que se possa interpretar mediante uma analítica científica, uma vez que não pode ser analisado partir dos pressupostos epistemológicos e metodológicos da razão lógico-demonstrativa, afigurando-se, ao contrário, muito mais como fenômeno de cunho mítico-religioso, impermeável a abordagens racionalistas.


Carl Schmitt

A meu ver, o célebre constitucionalista percebeu, como ninguém antes, a verdadeira natureza do fenômeno político, isto é, a esfera da política como terreno privilegiado da contraposição, da disjuntiva 'amigo/inimigo', sem apelo a quaisquer injunções de cunho ético ou racional; ademais, suas reflexões no âmbito da teologia política são também impressionantes, extremamente atuais, tendo em vista, por exemplo, as teologias messiânicas da ação revolucionária em voga no mundo islâmico.


Louis Antoine Léon de Saint-Just

Maximilien Marie Isidore de Robespierre


Pela vigorosa e convincente apologética do terror revolucionário como instrumento de regeneração política e moral, passível de alquebrar o ânimo da súcia reaccionária e instruir o povo no rigor e firmeza necessários à constituição de uma república igualitária.


Ayatullah Ruhollah Khomeini

Sayyid Qutb


Por terem ilustrado e implementado à perfeição o processo de transformação da política em teologia messiânica da ação revolucionário e vice-versa, ou seja, a conversão do arcabouço teológico tradicional em agir político revolucionário.


Robert Kurz

Em virtude de suas percucientes análises a propósito das metamorfoses hodiernas do sistema produtor de mercadorias, mormente no que tange à implosão tendencial do setor terciário sob a égide do esgotamento da 'Terceira Onda'.


Guy Debord

Por ter demonstrado cabalmente que a política se converteu em espetáculo, esfera de trocas e demandas onde o raio de ação do simbolismo tornou-se fundamental.


Donoso Cortés

Importante por demonstrar, de forma audaz e radical, que a legitimidade de um regime não está lastreada por relações de hereditariedade ou na representação social, mas sim em sua capacidade de exercer ação repressiva; neste sentido, importa menos QUEM exercerá o poder do que COMO este será exercido.


Aleksandr Duguin

Estou tão somente começando a conhecer sua obra, mas à partida já me impressionou sobremaneira a capacidade de Duguin em sintetizar dinamicamente todas a tradições gnóstico- românticas, tanto à 'esquerda' quanto à 'direita', da revolta contra a 'Realidade'.

sexta-feira, agosto 01, 2008

A mulher no mundo islâmico: uma breve reflexão e alguns dados estatísticos iranianos a considerar

Alphonse van Worden - 1750 AD






É moeda corrente na imprensa 'livre' (livre do poder econômico certamente não é...) do Ocidente a condenação unânime a situação da mulher do mundo muçulmano, sobretudo quando comparada à mulher nas sociedades ocidentais. Pois muito bem, examinemos isto um pouco mais detidamente.

Devemos, em primeiro lugar, lembrar que o terreno das comparações e analogias é infindável, e via de regra serve para confirmar qualquer perspectiva, como muito bem sabemos. Diferentes índices podem ser interpretados das mais diversas formas consoante a vontade do freguês, servindo a tal ou qual interesse político-ideológico.

É também mister discutir o significado profundo do termo 'liberdade': os liberais, por exemplo, acreditam que um homem que não tem o que comer, onde morar ou onde estudar é 'livre' desde que sua liberdade meramente formal e jurídica esteja 'legalmente' amparada; outros consideram 'livres' processos eleitorais contaminados pelo poder econômico privado, como ocorre em TODAS as soi disant 'democracias' ocidentais.

No que concerne propriamente às mulheres, é uma mistificação grosseira, ideologicamente teleguiada, etnocêntrica e, ao fim e ao cabo, preconceituosa, falar sobre 'liberdade' unicamente a partir da perspectiva cultural ocidental. É preciso analisar o modo de viver das mulheres do Islã a partir do que ELAS sentem e pensam, e não partir dos preconceitos de 'feministas' ocidentais, que não raro consideram, por exemplo, o sexo com crianças como expressão de 'livre arbítrio' e 'amor livre'. Façamos um exame de consciência: quais são nossas fontes de informação sobre a mulher islâmica? Quão livres de distorções ideológicas tais fontes estão? Quão desprovidas de injunções políticas contrárias ao mundo muçulmano? Devemos ser humildes e reconhecermos que nossos meios de comunicação nos informam muito mal sobre a real situação da sociedade civil nos países islâmicos, onde, aliás, desfruta-se de variados graus de desenvolvimento e liberdade, ao contrário da patética visão monolítica difundida pelos EUA. Apenas para citar uma corriqueira manifestação desse pernicioso 'confusionismo' ideológico: não raro vejo pairar uma enorme confusão envolvendo os termos hijab, chador e burka, como se fossem peças de vestuário indiscerníveis e/ou intercambiáveis entre si; ora, isto não é verdade, como qualquer um pode verificar através d'uma rápida pesquisa na internet. O governo iraniano, por exemplo, instrui (malgrado não as obrigue, que fique bem assente) as mulheres a usarem o hijab na esfera pública, sendo compulsório o uso do chador tão somente em determinadas cerimônias religiosas; a burka, por sua vez, não é usada no Irã. É mister, pois, nos dirigirmos às fontes diretas, às mulheres muçulmanas, com a alma livre de idéias preconcebidas, patranhas deliberadas e ocidentalismos atoleimados; há, antes de mais nada, que fazer um profundo exame de consciência a respeito de nosso próprio modus vivendi: uma sociedade onde viceja a prostituição infantil de meninas; onde o sexismo grassa nos meios de comunicação e na publicidade, com as mulheres sendo reduzidas a bundas e seios ambulantes; onde a beleza de uma mulher é muito mais valorizada que sua sensibilidade e inteligência; onde mulheres que fazem de sua intimidade um degradante espetáculo público são veneradas; sinceramente, uma sociedade caracterizada por tais fatores respeita a dignidade da mulher?

Vale dizer, aliás, que a mídia mainstream não é a única esfera de distorção sistemática da realidade islâmica; também a 'esquerda' acadêmica, mormente a de cariz feminista, indulge nas maiores barbaridades e incompreensões a propósito das sociedades muçulmanas. Claro está que a República Islâmica do Irã é um país culturamente conservador, pautado por costumes rígidos. Mas reparai, irmãos d'armas: a sociedade como um TODO é conservadora em termos de costumes, e isto obviamente inclui também as mulheres... é mister, por exemplo, ter em conta que cerca de 60% do eleitorado feminino votou em Mahmoud Ahamadinejad no último pleito presidencial; ademais, a educação religiosa das crianças no lar, tanto de meninas quanto de meninos, tradicionalmente está a cargo das mulheres, de modo que elas exercem participação axial na formação da mentalidade da sociedade iraniana. Outra coisa: a luta pelo direito ao uso do hijab e do chador foi umas principais bandeiras de luta da revolução iraniana, uma vez que a política política do Shah da Pérsia reprimia brutalmente o uso destes seculares aparatos. Tal medida era parte vital do principal projeto de 'engenharia social' da ditadura de Pahlevi, que visava neutralizar as matrizes culturais e religiosas da nação iraniana, de modo a torná-la dócil e receptiva à dominação imperialista; afortunadamente, contudo, o orgulho ancestral da nação persa não permitiu tal barbaridade. Destarte, Teheran, Isfahan e outras cidades do país foram convulsionadas em 1978 e 79 por colossais passeatas de mulheres defendendo o direito ao uso do hijab e do chador.

Isto posto, gostaria de citar, a propósito do tema adrede aludido, algumas estatísticas e considerações disponibilizadas pelo site da embaixada da República Islâmica do Irã no Brasil (http://www.webiran.org.br). E antes que porventura aleguem ser parcial a fonte mencionada, relembro uma obviedade amiúde olvidada entre nós: toda fonte de informação é parcial.


A situação das mulheres na sociedade contemporânea no Irã

"Em geral a situação da mulher progrediu em anos recentes. Existem alguns indicadores com relação à mulher no Irã como segue abaixo:

1. População: a metade da população iraniana está composta por mulheres. Em 2001 a população de mulheres era de 32 milhões.

2. Educação: a porcentagem de mulheres acima dos seis anos era de 80,5 por cento no ano de 2002, isso mostra um crescimento de 6,3 por cento em comparação com o ano de 1995.

3. Ensino Técnico: o numero de unidades de educação técnica no país para as mulheres era de 300 unidades no ano de 2002. O número de unidades para homens era de 350, isso mostra que houve um aumento significativo em relação às instituições para mulheres em anos recentes.

4. Ensino Superior: em 2002, 61,5 por cento dos estudantes que ingressaram nas Universidades foram mulheres.

5. Atividades Políticas e Sociais: o número de mulheres nomeadas para o Congresso nas eleições passadas teve um aumento de 44% e no total 12 mulheres foram eleitas como representantes. Atualmente, as mulheres constituem 7,3 por cento do total de membros do Congresso. Com relação à Câmara de Vereadores 11% dos membros são mulheres. Trinta e oito por cento das mulheres nas cidades são membros desses conselhos. Nas áreas rurais o número é de mais de 60%.

6. Administração Executiva: o número de mulheres administradoras no país é de 3.029. 5,2 por cento do total de cargos administrativos são das mulheres. Cinqüenta e quatro por cento das mulheres associadas com a administração pública tem Curso Superior.

7. Em 2002: 30% do total da administração pública pertenciam às mulheres.

8. Participação Cultural: o número total de mulheres ativas em publicação era de 539 no ano de 2000. Novecentas mulheres estão envolvidas na imprensa e com editores chefes. Quarenta e oito por cento das mulheres ocupam cargos nas bibliotecas.

9. Esportes: até o final do ano de 2000 o número de centros esportivos para mulheres era de 1.359 em nove unidades. Em geral, existem três milhões e quinhentas mil mulheres ativamente envolvidas no esporte. Existem um milhão e setecentas profissionais do esporte, e também 26 mil mulheres no ensino do esporte.

Na sociedade evolucionária iraniana, os progressos da revolução deixaram suas marcas no campo feminino. Por esta razão, o aumento da população e os planos para as novas necessidades em relação à posição mundial das mulheres na economia, política e cultura, influenciaram o seu cotidiano. Baseado nisto, para um melhor conhecimento da posição da mulher após a Revolução Islâmica, torna-se necessário a análise de diversas variáveis principais, entre elas:

Baseado em estatísticas, a população do Irã no ano de 1991 era de 56 milhões de pessoas, das quais 48% eram mulheres. E ainda, a população feminina entre 1976 e 1991 aumentou de 14 milhões para 27 milhões.

Entre 1976 e 1977 existiam 102.924 professores do sexo feminino do total de 194.420 profissionais desta área nas escolas do país. Entre os anos de 1986 e 1987, do total de 426.027 professores nas escolas, 199.334 eram do sexo feminino. Entre os anos de 1991 e 1992, do total de 548.546 professores nas escolas, 271.195 eram mulheres. Isto mostra o quadro feminino envolvido nas atividades de educação.

No ano de 1976, as mulheres ocupavam 13% das posições de trabalho no setor científico e de tecnologia. Essa porcentagem aumentou e no ano de 1986 chegou a 32,8% e no ano de 1991 chegou a 39,7%. Em 1991, 650 mulheres trabalhavam no setor de serviços. As estatísticas mostram que no ano de 1993, cerca de 1,97 milhões de profissionais trabalharam no serviço público, dos quais 603 mil eram mulheres.

A maioria das mulheres que trabalham no serviço público encontra-se nos ministérios da Educação, Saúde, Minoria, Energia e Indústria e Mineração, onde as obrigações são de natureza tecnológica e industrial.

Nas universidades, 5,7% dos professores titulares são do sexo feminino, 16,5% são professores adjuntos, 21,9% são professores assistentes e 36,9% são professores auxiliares. No setor agrícola, cerca de 60% a 80% da força de trabalho é do sexo feminino. 15,3% dos funcionários de escritórios são do sexo feminino, 30% dos funcionários públicos são mulheres, 32% da população trabalhista ativa é composta de mulheres e 29,5% são donas de casa.

Zahra Shojaei, presidente do Centro de Assuntos de Participação das Mulheres da presidência da República, acredita que estes dados estatísticos deixam claro que as mulheres construíram a cultura do país. O doutor Tari, economista, acredita que apesar da estatística de 1998 mostrar cerca de 32% da população economicamente ativa como sendo do sexo feminino, deve-se observar que algumas mulheres não estão incluídas nesta porcentagem devido à sua presença na providência das necessidades da vida, o que possui um papel fundamental na economia do país.

De acordo com dados de 1986, somente 4,6 milhões de mulheres, ou 35,5% delas, eram alfabetizadas. De acordo com o último relatório do Sensu (contagem do número de habitantes), em 10 anos o número de mulheres alfabetizadas dobrou e chegou a 9,8 milhões, representando um aumento de 52,1%. De acordo com as estatísticas disponíveis, entre 1993 e 1998, 30% em média dos estudantes universitários e de centros avançados do governo eram do sexo feminino. Durante o ano letivo de 1995 e 1996, 47.746 mulheres formaram-se nas universidades nacionais. Baseado nas estatísticas de ensino superior entre 1990 e 2001, 685.454 mulheres se formaram nas universidades do país. De acordo com os estudos do secretário de informática da Organização de Administração e Planejamento Geral do país, no ano de 1999, 683.130 mulheres trabalhavam em diversas instituições do país, deste número, 364.874 possuíam educação superior. Esses dados nos dizem que em 2001, do total de 2.292.634 servidores públicos, 710.233 eram do sexo feminino.

De 1997 até hoje, a porcentagem de mulheres aprovadas em vestibulares vem aumentando regularmente. Apesar de ainda a maioria dos aprovados nas áreas de engenharia e tecnologia ser do sexo masculino, o fato é que 60% dos graduados são do sexo feminino, o que mostra que elas estão formando um novo campo da força de trabalho. Apesar disto, levando-se em conta a situação de emprego, a população feminina tida como dona de casa, a qual é considerada inativa, nos três períodos de 1976-1986, 1986-1991 e 1991-1996, possuiu um aumento anual médio de 6,8%, 1,3% e 1,7%, respectivamente. Essas mudanças são conseqüências da cultura geral e da maneira como o governo passou a administrar a sociedade feminina no que diz respeito às suas políticas de trabalho nos primeiros anos após a revolução, tanto dentro como fora de casa.

Os recursos direcionados às mulheres no ano de 2001 em relação ao ano de 1996 foi 60 vezes maior apesar do fato de no ano de 1997 o orçamento do governo não incluir um plano específico direcionado às mulheres.

No aspecto cultural, até 1995, o número de mulheres envolvidas com o cinema era de 900 e o número de mulheres envolvidas com a televisão era de 1800. Neste mesmo período existiam 10 revistas direcionadas especificamente às mulheres, e ainda: 13% dos jornalistas eram do sexo feminino e 22% delas estavam envolvidas com o setor de notícias."

Realismo e Arte Revolucionária




Gostaria de tratar aqui, diletos confrades, da questão da estética "realista" (dominante em qualquer meio de comunicação contemporâneo) e de sua utilização como instrumento de doutrinação ideológica.

Uma das principais características invocadas pela retórica realista é a sua pretensão de levar a cabo uma expressão fiel da realidade. Não é difícil, vale dizer, perceber a falsidade de tal argumentação. Toda manifestação artística constitui, antes de tudo, um discurso; ou seja, se formula como representação sobre algo, se distinguindo, naturalmente, do que pretende representar, uma vez que "se A é A, é impossível que seja ao mesmo tempo e na mesma relação, não-A", como reza o princípio da não-contradição. Um discurso não pode se constituir como um expressão fiel da realidade justamente porque se trata de uma representação, de uma mediação entre o indivíduo e seu objeto de consideração. Desse modo, a arte realista é, assim como todos os demais discursos que o homem produz, uma construção intelectual sobre o Real. E é justamente na ilusão que provoca de ser a própria realidade que reside o seu potencial de manipulação do pensamento.

A narrativa linear, característica marcante de toda a arte realista, é um dos mais poderosos instrumentos para a execução do projeto didático do realismo. Observando bem constataremos que, salvo raras exceções, todos os produtos veiculados pela indústria cultural e pelos meios de comunicação de massa fazem uso da narrativa linear. O realismo é, portanto, o estilo dominante na indústria cultural, pois permite que toda uma série de condicionamentos ideológicos seja transmitida de maneira sutil, uma vez que o espectador não percebe que está diante de um discurso, de uma representação, acreditando estar diante da própria realidade. Enquanto isso, podemos notar que o distanciamento, condição necessária para que o espectador possa refletir sobre o que está vendo, é um dos elementos fundamentais da arte revolucionária, como podemos notar, por exemplo, de modo significativo, na obra de Bertolt Brecht, um dos maiores artistas revolucionários do século XX. É importante sublinhar que o artista revolucionário, ainda que obviamente comprometido com a transformação revolucionária da sociedade em que vive, não pretende doutrinar o público, mas oferecer propostas, possibilidades de discussão, alimentando o livre jogo das idéias e concepções, pois é de tal fonte que nasce a consciência revolucionária.

É fundamental salientar, todavia, que o realismo não é patrimônio exclusivo das manifestações culturais, por assim dizer, "conservadoras". O chamado realismo socialista, fruto maldito da política cultural do stalinismo, apesar de sua retórica falsamente revolucionária, se afirmou sim como um mecanismo importante da estrutura de doutrinação ideológica em massa do regime, sufocando a arte verdadeiramente revolucionária das vanguardas soviéticas da década de 20.

Em seu ensaio Arte Revolucionária e Arte Socialista, que integra o livro Literatura e Revolução (1924), o líder revolucionário Leon Trotsky, já preocupado com a possibilidade de uma Arte controlada pelo dirigismo político-ideológico, vê no acesso irrestrito ao patrimônio cultural da humanidade, e especialmente na elaboração de um novo paradigma artístico, o caminho para um humanismo revolucionário, que potencialize todas as dimensões do Humano.

Considerando a Arte como o ponto de encontro entre a matéria e o espírito, Trotsky acredita que a formação artística do indivíduo o libertará da mecanização ditada pela vida cotidiana, livrando-o do automatismo psíquico consumista da sociedade capitalista. Para o revolucionário russo, o processo de construção da nova ordem política e econômica deve ser forçosamente acompanhado pelo surgimento de uma nova consciência revolucionária, que estabeleça o humanismo socialista como base para relações humanas renovadas e solidárias. A Arte socialista deve expressar o sentimento da sociedade que se transforma, deve se manter em íntima conexão com as novas aspirações que o processo histórico traz em seu bojo. Realista ou abstrata, livre de "dirigismos" tacanhos e reducionistas, refletirá, não menos pela sua forma do que pelo seu conteúdo, a necessidade do homem, que deseja a sua emancipação, a angústia do povo que luta para se libertar. A arte será o espelho dessa realidade ou o instrumento que ajudará a transformar essa realidade. E, quando o homem superar a sociedade de classes e a alienação, ele retornará às suas fontes reais na sociedade, às suas raízes humanas. A arte confudir-se-á nas relações concretas do homem com o próprio homem, do homem com a natureza. Desse modo, a arte irá produzir uma nova consciência humanista, que irá alavancar o processo de fortalecimento das conquistas da revolução. Trotsky não admitia a arte dirigida, instrumento puro e simples de de propaganda partidária. A arte, como produto da vida social, reflete as realidades de uma época e todas as suas contradições. Não existe, dessa maneira, arte sem conteúdo ou tendência. Imprimir-lhe, contudo, o caráter de propaganda é converte-la de sistematização de sentimentos em sistematização de estereótipos. O Partido Comunista, no seu entender, não deveria interferir nas controvérsias e nas disputas entre as diversas escolas artísticas, assumir a posição de um círculo literário, mas salvaguardar os interesses históricos do povo no seu conjunto. Como que prevendo a degenerescência do stalinismo que, posteriormente, criou uma arte oficial, na verdade acadêmica e burocrática, sob o epíteto de "realismo socialista", Trotsky proclamaria: "a arte não constitui um terreno onde o partido possa mandar". O Partido pode e deve conceder um crédito de confiança aos diversos grupos que procurem, sinceramente, aproximar-se da Revolução, a fim de ajudá-los na sua realização artística.

A desumanização, a despersonalização do homem soviético, processo que foi alimentado pela política cultural implementada por Stalin e Zdanov, confirmou os vaticínios de Trotsky. A vigilância implacável do partido sufocou a criação artística, obstruindo a formação de uma verdadeira consciência socialista. Sem esta consciência, fundamental para a construção do socialismo em bases sólidas, o regime degenerou em um autoritarismo obscurantista, que após a morte de Stalin, deu lugar a uma estagnação permanente. O humanismo marxista foi substituído, de início, pelo terror de Estado, e depois, pela preguiça, pela inércia mental. O resultado desta evolução é conhecido por todos.O caso mais emblemático desta tragédia talvez tenha sido o suicídio, físico e "cultural", do extraordinário poeta e revolucionário soviético Vladimir Maiakovsky. Tachado pelos intelectuais oficiais do stalinismo como "incompreensível para as massas", o poeta respondeu-lhes, em uma de suas últimas obras antes do suicídio, o grande poema trágico A plenos pulmões, com a seguinte declaração profética: "depois de morto falarei como um vivo". Assassinado pelos coveiros da Revolução, Maiakovsky permanece cada vez mais vivo como o símbolo máximo de uma arte genuinamente revolucionária, libertadora de homens e consciências.






Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

terça-feira, julho 01, 2008

Breve nota sobre A IDADE DA TERRA

Alphonse van Worden - 1750 AD





Glauber Rocha é um desses raros artistas / pensadores cuja obra se desenvolve numa linha ascendente, tanto no plano estético e artístico quanto no sentido da evolução progressiva de um projeto a um só tempo político, espiritual e existencial. A cada filme são agregados novos elementos, novas perspectivas a este verdadeiro périplo, que vai expandindo seus horizontes, se tornando cada vez mais multifacetado e complexo até o seu surpreendente coroamento final com A IDADE DA TERRA (1980).

É fascinante observar como esse work in progress glauberiano vai se processando ao longo de sua carreira. Em BARRAVENTO (1962) e DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL (1964), seus primeiros longas-metragens, podemos observar um cinema ainda determinado por parâmetros narrativos e estéticos tradicionais, caudatário sobretudo, a meu juízo, do ‘cinema dialético’ do soviético de Sergei Eisenstein e do neo-realismo italiano, não podendo também deixar de ser mencionada, especialmente no concernente ao trabalho de direção dos atores, uma substancial influência da dramaturgia de Bertolt Brecht.



Neste filme, que é muito mais uma experiência, um ensaio aberto, do que a estrutura fechada com início-meio-fim que tradicionalmente entendemos por filme, a dimensão ritualística da obra de Glauber, presente como embrião já nos primeiros curtas, atinge o seu ponto máximo de realização. A IDADE DA TERRA é uma pajelança, uma missa bárbara, como acertadamente o define Gilberto Vasconcellos, que celebra a ascensão de uma nova divindade, o Cristo do Terceiro Mundo, que é o próprio povo em seu êxtase místico. Um Cristo que não é o do martírio na cruz, mas o Cristo da ressurreição, da libertação. Fazendo uso de linguagens tão diversas como a poesia, o teatro, a entrevista, a farsa, o documentário, Glauber registra o percurso desse Cristo coletivo, que emana dos anseios mais profundos do povo cristão, que é, ao fim e ao cabo, a materialização simbólica de seu inconsciente coletivo.

A ruptura de Glauber com as engessadas estruturas ideológicas da esquerda oficial , e também com a interpretação materialista da História, se torna, com este filme, irreversível. O Cristo do Terceiro Mundo é, pois, o surgimento de uma nova dimensão revolucionária, o advento da civilização fundada no amor. Como diz o próprio cineasta, “a revolução é uma mágica porque é o imprevisto dentro da razão dominadora”; do mesmo modo, acrescenta: “na medida em que a desrazão planeja a revolução, a razão planeja a repressão”. A dimensão do delírio, transformada em arma do povo, escapa ao entendimento do dominador, que apenas pode compreender o que atua dentro de sua própria lógica. Só o irracionalismo das massas iluminadas pelo êxtase místico pode romper o círculo vicioso do capitalismo ocidental. O racionalismo é, pois, um instrumento de legitimação do Sistema, é a linguagem do dominador. Só a lógica, melhor dizendo, a anti-lógica do sonho, o desreinado delirante do sonho, pode inverter as polaridades e provocar um curto circuito nas estruturas de dominação da racionalidade materialista/capitalista. Daí todo o necessário e progressivo desligamento glauberiano no tocante às categorias racionalistas do marxismo, em direção a um conceito de revolução messiânica que se processa num êxtase místico revolucionário.

A IDADE DA TERRA é, pois, a síntese dialética do projeto glauberiano, a formulação última de seu messianismo revolucionário, onde o povo, sem mediações teóricas ou políticas, se converte em sujeito histórico de sua própria libertação na fé do Cristo, encarnação coletiva da liberdade.



quinta-feira, junho 05, 2008

Para os ingênuos que ainda acreditam nos 'democratas' ...

Alphonse van Worden - 1750 AD






Há quem acredite, mormente certa 'pseudo-esquerda' desavisada e/ou desavergonhada, que os democratas representem uma 'opção' melhor em relação aos republicanos, como se a tão propalada 'democracia' norte-americana não fosse tão somente um disfarce institucional para o verdadeiro regime que vige por lá: uma plutocracia inteiramente pautada pelos interesses econômicos do ‘partido do complexo industrial-militar e do capital financeiro’, que se divide nas alas ‘republicana’ e ‘democrata’.

Destarte, a pretensa clivagem entre 'democratas' e 'republicanos' não passa d'uma torpe mistificação ideológica. Consideremos por um momento, à guisa de ilustração, as últimas declarações do 'preto de alma branca' chamado Barack Obama sobre política externa, por ocasião de uma palestra na APAIC (Comitê Israelo-Americano de Assuntos Públicos), em Washington ontem pela manhã (05/06/2008), e da cadela imunda chamada Hillary Clinton, comentando a questão logo depois:


Barack Obama:

"O perigo que vem do Irã é grave, é real, e minha meta será eliminar essa ameaça."

"Deixe-me ser claro: a segurança de Israel é sacrossanta. Qualquer acordo com o povo palestino tem de preservar a identidade de Israel como um Estado judeu, com fronteiras seguras, reconhecidas e defensíveis. Jerusalém permanecerá como a capital de Israel, e precisa permanecer indivisível."

__________


Hillary Clinton:

"Sei que o senador compartilha de minha visão de que o próximo presidente deve dizer ao mundo que os EUA estão ao lado de Israel sempre."


Eis portanto, áticos confrades, a verdadeira face do Partido Democrata, do partido que em 1999, por exemplo, desencadeou um verdadeiro massacre contra a Sérvia em nome dos interesses econômicos do imperialismo... tanto Hillary quanto Obama não passam, pois, de meras peças na diabólica engrenagem do complexo industrial-militar, do capital financeiro e da máfia sionista, tríade que essencialmente controla a 'democracia' norte-americana.

domingo, junho 01, 2008

'Governo Mundial' x República Islâmica do Irã

Alphonse van Worden - 1750 AD






Temos assistido nos últimos tempos a uma escalada da obscena campanha de desestabilização desencadeada pelas potências imperialistas, 'Grande Satã' à testa, contra a indômita República Islâmica do Irã. É ominoso propósito dos autonomeados ‘Senhores do Universo’ obstar o desenvolvimento econômico autônomo e soberano do país em tela, impedindo-lhe o pleno acesso à energia nuclear, recurso com o qual o país tenciona diversificar sua infraestrutura energética , tornando-se menos dependente da importação de combustível, uma vez que o refino de petróleo para tais fins torna-se a cada ano mais oneroso; assim sendo, querem os odiosos imperialistas levar a orgulhosa nação persa às barras do Conselho de Segurança da ONU, para assim apensar a chancela de uma pretensa legitimidade jurídica às sanções econômicas com que pretendem sufocar a ummah iraniana. Afortunadamente, contudo, a República Islâmica do Irã, representada pelo corajoso governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad (cognominado como ‘ultraconservador’ pela mídia mainstream em sintomática operação de diversionismo conceitual , pois se trata de um legítimo reformador), bem como sob a lúcida e sábia égide do Ayatullah Khamenei, tem resistido valentemente a tais tentâmenes de chantagem.

Reiteradas vezes tem a República Islâmica do Irã asseverado não ser de seu talante a criação de um arsenal de armas atômicas, mas tão somente o emprego pacífico de tal tecnologia; não obstante, ainda que o país pretendesse levar a cabo um programa de armamento nuclear, isto lhe seria de lídimo e irreprochável direito, pois trata-se de decisão que compete tão somente à escolha soberana de cada nação, e não à ultrajante empáfia dos que se arrogam em donos do planeta. Destarte, tem a República Islâmica do Irã incontrastável direito à posse de dispositivos bélicos atômicos, caso julgue ser tal medida necessária à defesa de sua integridade territorial.

Ademais, há também nisto tudo um repulsivo componente de hipocrisia, pois todos sabem que o 'Pequeno Satã' dispõe de armamento nuclear, arsenal esse que o moloch sionista jamais poderia ter obtido caso não contasse com total anuência da parte de seus svengali estadunidenses para toda sorte de crimes e perfídias. Destarte, por que cargas d´água pode o Estado Sionista deter armas atômicas, enquanto isto é vedado à República Islâmica? Os baalberiths ‘intelectuais’ a soldo do Imperialismo apreciam imenso alegar que a ‘arquitetura internacional de poder’ seria abalada caso o Irã passasse a contar com armamento nuclear. Pois muito bem: e a quem a interessa a manutenção da atual estrutura geopolítica de poder? À imensa maioria da Humanidade ou a um punhado de nações que exploram indiscriminadamente o planeta como se este fosse seu quintal? Pouco importa, portanto, a vigência de tal ‘ordem’, uma vez que vai de encontro às necessidades e desígnios da maioria. Deve, pois, a República Islâmica do Irã infrene trilhar sua trajetória soberana, destinando seus investimentos em tecnologia nuclear da forma que bem lhe aprouver, quer seja para fins meramente civis, quer seja para objetivos militares.

Por fim, encerro tecendo algumas considerações para os que amiúde soem verberar contra o advento de um ‘Governo Mundial’, mas não conseguem reconhecer-lhe a verdadeira índole. Tais setores diagnosticam, com efeito, a progressiva ascensão d’uma espécie de governança planetária sob a égide da ONU, e que representaria a sinistra aliança entre um cipoal de partidos, movimentos e ONG’s globalistas/'esquerdizantes', de um lado, e os grandes interesses corporativos do capitalismo monopolista, de outro; como anteparo a tal dinâmica, costumam dizer, estaria os Estados Unidos da América, principal salvaguarda do capitalismo liberal e da democracia. Pois muito bem: os factos acima referidos ilustram precisamente a tentativa do ‘Governo Mundial’, com total apoio e incentivo dos EUA, em subjugar uma nação independente mediante toda sorte de pressões e ameaças. O que os apologistas de tal perspectiva teriam a dizer, portanto, a esse respeito?

Apontamentos sobre a 'Revolução Conservadora' I - Gabriele D'Annunzio e a Reggenza Italiana del Carnaro



Ora proponho, ó diletos confrades d'armas, que falemos a propósito de figuras que de certa forma encarnaram, mormente no século XX, o ideal d'uma 'revolução conservadora'. Dando partida a nossos trabalhos, discorrerei brevemente a respeito do célebre poeta 'decadentista' italiano Gabriele D'Annunzio (1863 - 1938) e sua romântica aventura política com a Reggenza Italiana del Carnaro.

D’Annunzio (assim como o alemão Ernst Jünger, o russo Dmitry Svyatopolk-Mirsky, o também italiano Julius Evola, entre outros) encarna um fenômeno ideológico deveras contraditório e fascinante: a perspectiva de uma ‘revolução conservadora’, que por um lado se formula como revolta contra a ‘modernidade’, encarada como monstruoso amálgama entre a frieza pragmática da lógica contábil do capitalismo e a autoritária uniformização social do socialismo; e por outro, pelo ideal de um retorno às tradições da Europa pré-capitalista, sobretudo no que tange ao resgate do universo fechado, unitário e integrado da Gemeinschaft medieval (sentimento, aliás, sintetizado à perfeição pelo alemão Novalis em seu ensaio A Cristandade ou a Europa - 1799, que se inicia com as seguintes palavras: “Belos, esplêndidos tempos: a Europa era terra cristã, e a Cristandade habitava una este recanto de mundo humanamente configurado...”).

Muito bem: num dos episódios mais extraordinários e insólitos da acidentada gesta política do século XX, um heteróclito contingente de 9.000 legionari, incluindo desde marinheiros rebeldes e militantes anarquistas a ocultistas, artistas, marginais e almas dissidentes de todos os quadrantes, sob o comando de D'Annunzio, ocupou a cidade de Fiume (atual Rijeka, porto croata encravado na Baía de Kvamer, no litoral do Mar Adriático) no dia 12 de setembro de 1919. O exército invasor demandava a anexação do território tomado à Itália, medida rejeitada pelo governo deste país, que decidiu bloquear a cidade para forçar os revoltosos à rendição; em resposta, D'Annunzio decidiu, em setembro de 1920, estabelecer Fiume como sede de um novo Estado, a Reggenza Italiana del Carnaro, com a promulgação de uma constituição, a Carta del Carnaro, assinada a quatro mãos pelo escritor e pelo anarco-sindicalista Alceste De Ambris, que estabelecia, entre outras coisas, a música como princípio fundamental do Estado:

 LXIV. Nella Reggenza italiana del Carnaro la Musica è una istituzione religiosa e sociale.Ogni mille anni, ogni duemila anni sorge dalla profondità del popolo un inno e si perpetua. Un grande popolo non è soltanto quello che crea il suo Dio a sua somiglianza ma quello che anche crea il suo inno per il suo Dio. Se ogni rinascita d'una gente nobile è uno sforzo lirico, se ogni sentimento unanime e creatore è una potenza lirica, se ogni ordine nuovo è un ordine lirico vigoroso e impetuoso della parola, la Musica considerata come linguaggio rituale è l'esaltatrice dell'atto di vita, dell'opera di vita (...).

 O documento, diga-se de passagem, é considerado uma das peças mais interessantes e originais do pensamento utópico em todos os tempos.

Vale sublinhar que o ideário d'annunziano glorificava, por um lado, a violência guerreira, o orgulho nacionalista, a pulsão messiânica, bem como o desprezo pela democracia, qualificando-se assim, tal como o futurismo marinettiano, como um dos antecedentes diretos do fascismo; e por outro, rejeitava a propriedade privada, traço que permite associá-lo à augusta tradição da revolta messiânica anticapitalista ao longo dos séculos. Vejam, por exemplo, esta bela e significativa passagem, presente num dos discursos proferidos pelo rocambolesco condottiere:

"Para nós, 'navegar' significa lutar (...) O resultado da batalha tem, para nós, pouca importância. Para nós, o combate tem a sua recompensa em si mesmo, ainda que não seja coroado pela vitória ... Enquanto isso, navegar é preciso. Mesmo contra a maré. Mesmo contra o rebanho. Mesmo que o naufrágio espere os solitários e orgulhosos emissários de nossa heresia".

Durante pouco mais de um ano, quando as forças de D'Annunzio se renderam após um bombardeio da marinha italiana em dezembro de 1920, Fiume foi cenário de uma experiência de insurreição poética, irredentismo romântico flamboyant e revolução messiânica veramente inédita: a 'administração' resumia-se praticamente à promoção de concertos, banquetes, saraus literários e orgias delirantes, com seu extravagante duce declamando poemas todas as noites da sacada do palácio de governo, sob o troar de canhões e fogos de artifício.

É mister, por fim, compreender a galharda epopéia d'annunziana como emblemática etapa no périplo da GRANDE SÍNTESE, que, por um lado, se estabelece como a convergência política e filosófica entre todas as correntes ideológicas anticapitalistas e antiburguesas; e por outro, como todas as tradições esotéricas da revolta irracionalista contra a 'Realidade' ao longo da História. Para que tal dinâmica seja possível há ainda, vale dizer, inúmeras arestas e incompreensões mútuas a serem aparadas; séculos de mal-entendidos (não raro disseminados por nossos adversários); ressentimentos; discrepâncias conjunturais de ordem política; enfim, toda uma série de equívocos e distorções, conscientes ou não, de maneira que o estudo de episódios como a Regenza del Carnaro revela-se como exercício de reflexão política deveras necessário e salutar para a concretização da auspiciosa Síntese político-messiânica adrede mencionada.


_________


Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros