segunda-feira, julho 18, 2016

Götterdämmerung in Rio, or do you wanna Ragnarök with me, babe?



No curso de sua longeva e exitosa carreira, o saxofonista alemão Peter Brötzmann recebeu o epíteto de ‘iron lungs’. Trata-se, a meu juízo, de apodo dos mais injustos e inadequados. O ferro, como bem sabeis, oxida, enferruja, quebra; não é o caso de Brötzmann, que permanece inoxidável e inquebrantável do alto de seus veneráveis 75 anos de idade, mandando brasa em seus instrumentos de sopro com o mesmo vigor de um uruk-hai nas forjas de Isengard. Assim sendo, doravante passarei a chamá-lo de Peter 'ADAMANTIUM LUNGS' Brötzmann.

Na apresentação de ontem à noite no agradabilíssimo estúdio Audio Rebel (Botafogo - Rio de Janeiro), o público presente pôde constatar que permanecem intactos os poderes do ciclope germânico como magnetizador do fogo dos deuses; grão-mestre da sustained sonic obliteration; monstrorum artifex da matéria sonora em combustão espontânea; não é preciso, pois, recorrer a artifícios condescendentes como 'lenda viva' ou outras asneiras do mesmo naipe para apreciar o cidadão. De resto, vale sempre frisar que o negócio aqui não é roquinho mequetrefe-geriátrico ou jazzinho emasculado de sala de espera de consultório médico não, putada... É, pelo contrário, uma verdadeira FORÇA DA NATUREZA.

Pois em verdade vos digo, meus filhos: o que tivemos hoje no outrora aristocrático, mas ainda excelso bairro da zona sul carioca, foi Sturm und Drang de primeiríssima ordem. Brötzmann, claro está, dispensa maiores considerações: é um monólito titânico e incomparável de fúria, paixão, caos e lirismo, ionizando a atmosfera com seus leads e solos flamejantes; ou, em outras palavras: é como se as esquadrilhas de Ju 87, Heinkel He 111, Dornier Do 17 e outras valquírias de aço da Legion Condor se amalgamassem num só homem para pulverizar a Guernica das convenções estéticas habituais do jazz.

E a seção rítmica que com ele forma o trio Full Blast também é avassaladora: o baixo pesadíssimo, hiper-saturado e explodindo em tonitruantes frequências graves de Marino Pliakas inequivocamente pertence à ínclita linhagem de figuras como Brian Gibson, Alain Ballaud, Bernard Paganotti e outras deidades lovecraftianas em forma de músico, capazes de transformar as quatro cordas em legítimas armas de destruição em massa; o baterista Michael Wertmüller, por seu turno, com suas viradas à velocidade da luz e explosões concentradas de fuzilaria percussiva, é uma divisão Panzer entrando de sola no gueto de Varsóvia no mais puro estilo none will survive / take no prisoners full mode ON.
Enfim, caríssimos: um evento inolvidável, arrebatador, emocionante, transcendente. Quem viu, viu; e quem não viu, que vá chorar na cama que é lugar quente.

___
Ten. Giovanni Drogo 

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

Sem comentários: