segunda-feira, maio 07, 2007

We know you got SOUL...

























A trajetória de um fã de música nunca é um movimento retilíneo e uniforme; trata-se, ao contrário, de um percurso pejado de descontinuidades, lacunas que, na medida do possível, vamos sanando ao longo dos anos. No meu caso, um desses hiatos era, até o passado, a mais lendária formação southern, The Allman Brothers Band; e se muito tempo levei para descobri-los, pouquíssimo tempo foi necessário para que eu fosse irremediavelmente arrebatado pela música desses fantásticos 'caipiras': trata-se, sem qualquer sombra de dúvida, d'uma TREMENDA banda de rock'n'roll, caracterizada por uma sonoridade inolvidável, que se propaga tanto por meio de titânicos workouts de blues rock estratosférico, epopéias sônicas reverberando através do espaço-tempo from Jupiter and beyond the Infinite, quanto por intermédio da lapidar concisão de canções atemporais.

Tendo em vista o facto de estarmos a falar sobre uma banda célebre, que carece de maiores considerações introdutórias e/ou históricas, passemos logo d'uma vez à matéria desta nossa resenha: o extraordinário At Fillmore East, um dos 5 melhores discos ao vivo em toda a história do rock, incontrastável obra-prima de nossos amigos, retratando-os em seu melhor habitat.

Gravado nos dias 12 e 13 de março de 1971, numa tradicional casa de espetáculos em NY, At Fillmore East se inicia com dois emblemáticos standards do blues, Statesboro Blues e Done Somebody Wrong, canções executadas exaustivamente à época por dezenas de bandas. Assim sendo, qual seria o diferencial que o ABB aporta para tais peças? Uma execução simplesmente irretocável, tanto em termos de feeling quanto no que se refere à destreza instrumental, transfigurando à perfeição o que se espera de uma blues song.

Na terceira faixa, a também clássica Stormy Monday, a excelência musical da banda começa a tingir-se de contornos de genialidade: o que nas mãos de músicos comuns é apenas mais um standard de blues, com a ABB se converte numa onírica saga de guitarras ecoantes e camadas de órgão elétrico projetando-se suavemente na atmosfera, em texturas sonoras sobremaneira sofisticadas e envolventes. Na faixa seguinte, a trovejante You Don't Love Me, o que era tão somente 'genial' se converte n'algo positivamente SOBRENATURAL: o interplay entre as guitarras de Duane Allman e Dickey Betts atinge níveis quase telepáticos de organicidade e interação, com solos sucessivos entrelaçando-se sem esforço aparente, como se obedecessem a um encadeamento lógico e natural. Duane Allman, em particular, revela-se um MONSTRO SAGRADO nas seis cordas, exibindo completo domínio do idioma de seu instrumento em assombrosas seqüências de sustains atmosféricos e slides lancinantes, fúlgidas cascatas de sons em mandalas abstratas de êxtase; escutem, por exemplo, a rutilante passagem entre 13:00 / 16:00, pois palavras faltam-me para transfigurá-la. Merece também preito de admiração a estupenda seção rítmica formada por Oakley, Johanson e Trucks, poderosa locomotiva a propelir adiante a traummaschine musical de Duane, Gregg e Dickey Betts.

A seguir, como interlúdio antes da blitzkrieg sônica dos números finais, vem a relativamente breve Hot 'Lanta, onde a banda nitidamente ganha momentum para o que virá a seguir, mas ainda demonstra sua inigualável capacidade instrumental.

Encerrando os trabalhos, temos as antológicas In Memory of Elizabeth Reed e Whipping Post. A primeira delas, assinada por Betts, é um dos instrumentais mais emocionantes que já escutei em qualquer gênero, um verdadeiro monumento de feeling instrumental, senso de proporção melódica e elegância instrumental; é sobretudo o verdadeiro zênite da banda em termos de fluidez e finesse, tangenciando horizontes sonoros dignos de um John Coltrane ou de um Miles Davis em suas melhores fases.

Maravilha urdida por Gregg Allman, Whipping Post, por fim, talvez seja a supina consumação, o tributo definitivo to all things Allman: um vibrante rhythm and blues desdobrando-se em inauditas paisagens de transcendência musical, locus privilegiado para o ataque combinado das guitarras de Duane e Dickey explodir em miríades e miríades de solos supersônicos, enquanto Gregg Allman preenche os vazios intersticiais com as texturas policromáticas de seu órgão elétrico e as imprecações de seus vocais tonitruantes, ao passo que a 'cozinha' providencia uma âncora rítmica a um só tempo exuberante e metronômica. Mais uma vez, o interplay alcançado pelo ABB desafia descrições fáceis, atingindo planos de expressividade artística e deslumbramento estético raramente igualados antes ou depois no âmbito do rock'n'roll.

Enfim, excelsos confrades: IMPRESCINDÍVEL.
























_____

Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

Sem comentários: