quinta-feira, março 01, 2007

Heldon: un cauchemar des dimensions electroniques




Esta genial banda francesa apresenta, creio eu, uma das trajetórias mais instigantes na história do avant prog. Assim como ocorre no King Crimson (grande influência para a formação gaulesa que ora abordamos), o Heldon é, de facto, a encarnação das idéias musicais de um guitarrista, o francês Richard Pinhas, refletindo, pois, em suas diferentes fases e formações, as obsessões e interesses de seu mentor.

Desse modo, em sua primeira fase entre 1974 e 1975, representada pelos álbuns Electronique Guérilla (1974), Heldon II: Allez Teia (1975) e It's Always Rock and Roll (1975), a banda se caracteriza por tapeçarias eletrônicas minimalistas e hipnóticas, no esteio do trabalho de Fripp/Eno em No Pussyfooting (1973), do seminal Kluster e dos primeiros discos do Tangerine Dream. Predominam, pois, guitarras 'tratadas' por uma infinidade de dispositivos eletrônicos, bem como por texturas ambient noise geradas a partir de moogs, mellotrons, sintetizadores VCS3 e ARP. Confesso não ter lá grande interesse por esses álbuns, que, malgrado muito bem realizados, soam-me um pouco tediosos.

Em 1976, contudo, Pinhas opera uma guinada significativa, tornando o som de sua banda mais ameaçador, claustrofóbico e pesado. O primeiro exemplar dessa metamorfose é a monumental Perspective IV, épico que encerra Heldon IV: Agneta Nilsson, com a fuzilaria metronômica e marcial de Coco Roussell e o baixo ultra-saturado de Alain Bellaiche incrementando as modulações guitarrísticas urdidas por Pinhas.

Não obstante, a transformação só se faria completa com o álbum em tela na presente resenha, o estraçalhante Heldon V: Un Rêve Sans Conséquence Spéciale, também lançado em 1976, onde temos uma espécie de zeuhl 'crimsoniano' eletrônico ultra-agressivo e alienígena, com a participação especialíssima de notórios 'magmóides' como Janick Top e François Auger, respectivamente no baixo e na bateria, fornecendo uma sólida base rítmica para Pinhas estremecer o Universo com sua guitarra pervertida por toda sorte de distorções eletrônicas.

Uma atmosfera de ominosa paranóia industrialista permeia todo o disco, que se caracteriza por uma produção 'suja' e ruidosa, elevando à enésima potência o ethos agressivo das composições. Marie Virginie C, faixa de abertura, sem dúvida uma das peças mais emblemáticas em toda a trajetória da banda, estabelece a atmosfera que dominará o álbum: trata-se d'uma espécie de KC viciado em heroína, militando na polícia secreta de um Estado totalitário intergaláctico; Elephanta, por seu turno, é um caótico tiroteio percussivo, algo como Can running the voodoo down, demonstrando o extraordinário talento de François Auger nas baquetas; seguem-se dois espartanos exercícios de eletrônica minimal ao estilo da primeira fase de Pinhas (Perspective IV Ter Muco e MVC II), levados a efeito, não obstante, com muito mais punch e intensidade que outrora, o que os torna sobremaneira fascinantes; temos, por fim, em Toward the Red Line e Marie et Virginie Comp (versão ao vivo da faixa inicial), mais dois trovejantes maelstrons de eletricidade cyberpunk e percussões em maximum overdrive mode ON, coroando à perfeição um disco verdadeiramente memorável.

A dinâmica consagrada em Heldon V prosseguiria nos álbuns seguintes, Heldon VI: Interface (1978) e Heldon VII: Stand By (1979), que expressam o estágio final de maturação do novo Heldon, onde o grupo trabalha de forma exemplar as sonoridades ambient da fase inicial, integrando-as organicamente ao contexto de uma sonoridade sombria e turbulenta.






Ten. Giovanni Drogo

Forte Bastiani

Fronteira Norte - Deserto dos Tártaros

Sem comentários: