sexta-feira, abril 29, 2005

Meditações, porventura filosóficas e quiçá um tanto quanto lôbregas, vagando através das oníricas veredas da Sierra Morena...

Alphonse van Worden - 1750 AD






- Os sonhos humanos têm uma camada externa e invulnerável que, como uma concha, protege o frágil núcleo contra ferimentos. Os pensamentos, todavia, morrem em contato com as palavras, tão rapidamente quanto as palavras perecem em contato com os pensamentos; o que deles nos sobra, pois, é o que consegue sobreviver ao massacre mútuo...

- Habituei-me aos meus pensamentos assim como às minhas vestes. Têm sempre o mesmo talhe e vejo-os por toda parte, até mesmo nas esquinas; o mais grave, contudo, é que me ocultam o cruzamento dos destinos...

- Aquele que entender que seu dia é apenas a noite de um outro, que seus dois olhos são o único olho de um outro, seguirá a pista do dia real que permite o autêntico despertar de sua verdadeira realidade, exatamente como se caminha nos sonhos...

Sem comentários: